Setembro Amarelo é encerrado no CAPS com apresentação teatral dos pacientes

O encerramento do Setembro Amarelo, mês dedicado à luta pela prevenção do suicídio, foi especial no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Coruripe. Com direito a plateia e muitos aplausos, pacientes do CAPS encenaram uma peça teatral sobre a temática.

A paródia, de autoria do usuário Weverton Silva dos Santos, retrata uma pessoa em estado de vulnerabilidade emocional, consumida pelo álcool e sendo importunada pelo “inimigo”, até que aparece Jesus Cristo e regata o personagem das “trevas”.

Weverton acompanhou tudo em um canto do espaço onde a peça foi encenada. Tímido e de poucas palavras, afirmou que sempre gostou de escrever, principalmente letras de músicas. Questionado sobre o que o motivou em roteirizar a apresentação, afirmou: “Eu só fiz para ajudar mesmo e fico feliz por eles”.

O oposto de tímida, a usuária Maria Damiana da Silva, paciente há quatro anos, estava radiante de alegria com o seu momento de atriz. “Achei maravilhosa a peça. Sempre que tem alguma campanha, como Outubro Rosa, Amarelo, qualquer cor, todos nós participamos. Gosto muito do grupo e peço que nunca se esqueçam do CAPS. Quando estamos em casa não nos sentimos tão bem quando estamos aqui, reunidos nessa turma que é muito boa”, destacou a paciente.

Outro paciente que participou da peça foi o Sr. José Pereira da Silva, conhecido por todos com Zé da Horta. O apelido é atribuído pela plantação de macaxeira, feijão, abóbora e quiabo que ele cultiva no terreno nos fundos do Centro. Usuário do CAPS há cerca de sete anos, já teve alta, mas não deixa frequentar, principalmente para cuidar da horta diariamente, incluindo os finais de semana. “Gosto muito do CAPS. Se tivesse uma casa aqui, eu morava aqui”, falou orgulhoso. As hortaliças produzidas são vendidas, guardadas para adubo e também destinadas para consumo próprio dos usuários.

O Centro de Atenção Psicossocial de Coruripe realiza em média 45 atendimentos diários. Segundo a coordenadora Maria Alice Carvalho, o CAPS é um ambiente oportuno para trabalhar a temática do suicídio. “Recebemos também essa demanda. Ao longo do mês da campanha do Setembro Amarelo, trabalhamos o mês inteiro com eles sobre o assunto, por meio da psicóloga, assistente social, enfeira e toda equipe engajada do CAPS. Hoje, fechamos com chave de ouro”, destacou a coordenadora.