Projeto “Coração de Estudante” será lançado na sexta-feira (02) em Coruripe

A Prefeitura de Coruripe através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em parceria com o Governo do Estado de Alagoas, Hospital do Coração de Alagoas (Hcor) e Fundação Cardiovascular de Alagoas (CORDIAL), realiza na próxima sexta-feira, 02, o Projeto ¨Coração de Estudante”  em Coruripe.

Com o objetivo de identificar precocemente doenças de cardiopatia congênita em crianças de 02 a 06 anos de idade, o mutirão cardiopediátrico atenderá – nesta primeira etapa – mil (1.000) crianças do município.

As consultas ocorrerão na Unidade Básica de Saúde (UBS) Sinicleide Felinto dos Santos, a UBS Centro, a partir das 8hrs, com uma equipe médica de cardiologistas, cirurgiões cardiovasculares, pediatras, acadêmicos de medicina e paramédicos.

Além dos atendimentos às crianças a equipe do Projeto “Coração de Estudante” dará palestras sobre prevenção à doença e noções de primeiros socorros aos pais e professores.

Em abril deste ano, o prefeito Joaquim Beltrão e o secretário municipal de Saúde, Yvan Beltrão, visitaram a Casa do Coraçãozinho, em Maceió. Na oportunidade, os gestores conheceram de perto o Projeto “Coração de Estudante” e trouxeram o programa para beneficiar os filhos coruripenses.

“Vamos disponibilizar um dia inteiro com palestras e oficinas para pais e filhos de Coruripe. É de grande importância esses atendimentos às crianças de 02 a 06 anos de idade para constatar se há alguma doença cardíaca e, sendo diagnosticada, fazer o tratamento correto. Portanto, peço aos pais que levem seus filhos para mais uma ação realizada pela Prefeitura de Coruripe em parceira com o Governo de Alagoas, Hospital do Coração e Cordial”, enfatizou Yvan Beltrão.

Em Alagoas, segundo dados da Cordial, o Projeto Coraçãozinho já realizou 1.830 consultas, 131 cirurgias, 2.104 ecocardiogramas e 1.728 atendimentos no Programa Coração de Estudante.

* O que é Cardiopatia congênita?*

A cardiopatia é uma anomalia na formação do coração da criança ainda no útero, podendo ser diagnosticado do nascimento até os 05 anos de idade. Quanto mais cedo for identificado há mais chances de ter uma recuperação com sucesso.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, 23 mil crianças nascem com enfermidades cardíacas onde 80% precisam fazer algum tipo de cirurgia durante o desenvolvimento.